Guias de Viagem e Arte

 
 
mar 17 2011

A foto de todas as revistas de turismo sobre Irlanda: Kylemore Abbey

Havia visto a estampa em revistas de turismo. Aliás, as fotos do lugar me fizeram desejá-lo. Nem precisei de mais motivação, bastava com estar diante daquele castelo junto a um grande lago. No dia anterior, quando íamos à Clifden passamos rapidamente por ele, mas de longe, devidamente reservado em sua tranquilidade. Agora era diferente, somente o lago estava entre ele e eu. Fiquei parada, impotente diante daquela paisagem. Queria ficar mais, mas sabe lá o que é viajar de carro, um mundo de posibilidades …

Kylemore Abbey - Irlanda

Clique aqui e imprima nosso GUIA de VISITA de Kylemore Abbey. Gratuito!

O primeiro que visitamos foi o castelo, afinal foi ele que nos fez colocar Conemara no roteiro, bendito castelo! O casal Mitchell e Margaret Henry compraram a propriedade de 13.000 acres por 18.000 libras. No lugar de uma casinha para eventuais pescadores de estação construíram seu castelo, entre 1867 e 1871.

Kylemore Abbey - Irlanda

Kylemore Abbey - Irlanda Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda Kylemore Abbey - Irlanda

Imagina acordar e dar de cara com este visual, laguinho, montanhinhas, muito verde, tudo num remanso de paz?!!! Entrei e fiquei imaginando os filhos do casal correndo por aqueles corredores, os jantares oferecidos na imponente mesa de jantar. O castelo na época do casal contava com 70 habitações com todas as comodidades conhecidas e modernas. Eles tinham seu próprio subministro de eletricidade e água à pressão. E pasmem, seu próprio corpo de bombeiros! O Mitchell era um cara que pensava no entorno, tanto que seu corpo de bombeiros ajudava todo a comunidade. Grande parte de suas terras, em 1902 estavam arrendadas a 130 agricultores, e ele construiu uma escola para dar educação aos filhos destes agricultores. Comprometimento social no comecinho do século 20.

Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda

Sabe aquele velho jargão, que dinheiro não traz felicidade? Pois é, o casal foi ao Egito, a Margaret contraiu uma doença e faleceu em 1874. Mitchell que era um homem apaixonado mandou construir uma igreja em sua homenagem. Uma catedral gótica em miniatura!

Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda

Kylemore Abbey - Irlanda Kylemore Abbey - Irlanda
Você pensa que nisto ficam os atrativos do lugar?? Na-na-na-naaaaaaaaaa, um micro-ônibus nos leva aos jardins de Kylemore. Os Henry construiram este jardim vitoriano de 6 acres junto com o castelo. Era a menina do olhos do Mitchell, possuía uma tecnología super avançada para a época, 1.538 metros de encanamentos distribuiam água quente por todo o terreno. Vinte e uma estufas de cristal, jardineiro-chefe que residia no local junto a seus asistentes.

Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda
Kylemore Abbey - Irlanda

Nem pegamos o ônibus para voltar à entrada, necesitávamos silêncio e paz para assimilar tudo aquilo … Isso porque nem imaginávamos o que havia na curva do caminho da estrada para Galway …

Leia também:
Roteiro de carro pela Irlanda: de Donegal a Clifden
Slieve League – um dos precipicios mais altos da Europa
Donegal: uma parada entre dois caminhos

fotos: turomaquia_2011

Postado por Patricia de Camargo | Marcadores:

6 Comentários

  1. Oscar

    Sabia que nunca tinha dado muita bola para a Irlanda até começar a ver esta série de Posts aqui no Turomaquia…
    Por sinal indiquei a serie toda no Post sobre St. Patrick Day que postei essa semana..

    Bjos e aproveite muito o Peru

    responder
  2. Silvia Oliveira

    Sabe que eu também não sabia quase nada da Irlanda antes desta série… que, claro, já virou referência para quem quer desbaraavar este destino! A qualidade das fotos é algo es-pe-ta-cu-lar! Bjs!

    responder
  3. Patricia de Camargo

    Oscar e Silvinha, fico bem feliz que estou conseguindo transmitir o que senti na viagem, que foi exatamente esta sensação de vcs: Poxa, tudo isso é Irlanda, m-a-r-a-v-i-l-h-a!!!
    Beijos

    responder
  4. Maria

    Morei na Irlanda por 10 anos, amo esse lugar…..

    responder
    • Patricia de Camargo

      Eu também amei Maria!

      responder
  5. Patrícia Regina

    Bem, eu cai neste castelo “por acaso”. Fui para Galway para ir aos Cliffs. Sentia esse chamado de ir para a Irlanda há muitos anos. Mas sabia que a hora chegaria.
    E chegou. Tive um processo de síndrome do pânico em 2013, no Brasil e busquei a cura. Assim, entrei num caminho de autoconhecimento e espiritual. Resgatei minha sensibilidade de muitas
    vidas. Fui me descobrindo. Antes de sair do Brasil, pasmem, conheci um cara, médico, que não conhecia, mas sentimos os dois que era como se nos conhecêssemos. Não sabíamos da onde. Bem, eu peguei o CRM dele para pesquisar sobre ele…aquariana com ascendente em aquário. Até consegui a data de nascimento, nome completo e fiz uma amostra do mapa astral do cara…hehehhhe. Bom, médico, havia tentando entrar na política duas vezes, recebeu título de cidadão honorário pelo seu envolvimento comunitário, etc, etc, etc. Mora em frente à uma lagoa.
    Assim, fui para a Irlanda, sozinha.
    Cai no passeio errado. Cheguei atrasada e assim, um moço me levou até o ônibus da excursão que já havia saído. Quando começaram a contar a estória do casal, meu coração aqueceu. Bateu um romantismo, que nem conhecia em mim. Mas tudo certo. Era lindo e perfeito demais para ser verdade. A estória, o amor inabalável dos dois um pelo outro, ao ponto dele construir um castelo para ela. Quando cheguei no castelo e peguei o folder na mão, vi a foto do Mitchel e comecei a ler sobre sua vida, profissão, envolvimento comunitário…eu fiquei tonta. Era a mesma estória do médico que havia conhecido na consulta. A foto, idêntica.
    Achei que estivesse ficando doida. Lembrei do filme “Minha vida em outra vida”, mas porque aconteceria comigo? Não, não poderia ser. Fui sentindo emoções estranhas e confusas. Uma nostalgia. No jardim então, não sei em explicar em palavras o que senti. Em frente a foto da Margaret(descobri nos registros akashicos que o apelido carinhoso era “Megui”), senti um arrepio. Ela olhava para dentro de mim e sentia como se tivesse ela dentro de mim.
    Já em frente a igreja descobri que não, não iria para os Cliffs. Que me “fizeram” cair no passeio errado, mas no lugar que precisava e estava previsto ir. Em frente a igreja senti uma dor profunda no coração, como se estivesse rachando, quebrando.
    Depois, tive vários sinais, insights e em Galway, as pessoas me tratavam como se fosse local. Depois ainda achei um Imã na minha sacola que caiu dentro, numa loja escrito “Connemara”.
    Quando retornei ao Brasil, fiz minhas curas com registros akashicos e não, não estava doida. Foi minha penúltima vida, melhor, da minha Alma. A última foi na Alemanha. Já a do médico desta vida, essa, na Irlanda foi sua última antes de encarnar no Brasil. E sim, foram muito felizes enquanto juntos. Passavam todo tempo juntos. Tinham medo de perder um ao outro. Depois que ela desencarnou, a vida perdeu o sentido para ele. Era um homem apaixonado, romântico e faia de tudo para deixar ela feliz. Ela não queria ir par a Egito. Ele insistiu e ela morreu lá. Ele sentia muita culpa. Achei ainda uma carta dele para ela na internet 212 dia após sua partida. E nesta vida, na consulta, encontrei-o procurando o sentido para sua vida.

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Publiquei a última parte do guia de leitura desse mês. Lembre que nosso bate-papo sobre ele vai rolar no dia 27 de fevereiro às 19:30 horas no YouTube - Patricia de Camargo. Ah, é o guia vc encontra no www.turomaquia.com 🤓

#lendoarte #seurat #nationalgalleryoflondon #pontilhismo #historiadaarte #artemoderna #issoearte
  • Sentados no chão do café da Galeria degli Uffizi tomando um aperol spritz após a visita. E você acha que a gente tá com cara de infeliz?! 😂😂 Esse é um baita museu, mas que tem um café minúsculo, então não tivemos muita alternativa e estávamos mortos depois de 6 horas entre obras 🤷🏽‍♀️ Qual foi o café ou restaurante que você mais curtiu dentro de um museu?

#galeriadegliuffizi #firenzelovers #artmuseum #museu #italyart
  • Mostro pouco minha cidade por aqui. Mas uma das minhas resoluções de ano novo é resolver essa pendência 🥳 
#laspalmasdegrancanaria #vegueta #grancanarialovers🖤 #canaryislands
  • Dica Londres: vai para a cidade até 15 de março? Visite a exposição temporária de Dora Maar no Tate Modern. ⁣
⁣
Está simplesmente maravilhosa. Perfeita para você entender como ela passou de atuar como fotógrafa para grandes revistas de moda a ser uma dos bastiões do surrealismo. É claro que falam da sua relação com o Picasso, mas fiquei sabendo lá que ela além de fotografar todo o processo de desenvolvimento do Guernica, também deu algumas pinceladas no quadro e que Picasso se inspirou em uma de suas obras para colocar aquela lâmpada olho no quadro que virou símbolo da luta contra a guerra.⁣
⁣
Para entrar na coleção do Tate você não paga nada, mas as exposições temporárias são pagas. Essa custa 13 libras e vale cada centavo! Evite os finais de semana quando os londrinos também vão em massa ao museu.⁣
⁣
#doramaar #tatemodern #londresmuseu #oqueveremlondres #exposiçoesquevalemapena #artemoderna #historiadaarte #surrealismo
  • Dica de Londres: Sky Garden - Vista bacanuda e gratuita. Numa cidade em que a maioria dos mirantes são caros, é quase uma dádiva ;) ⁣
⁣
O Sky Garden fica na City of London e para subir basta com reservar pelo site: https://skygarden.london/booking ⁣
⁣
Como tem uma varanda aberta, no inverno faz frio lá em cima, por isso vá preparada(o)!⁣
⁣
Hoje por exemplo, dia 03/02 já estão abertas as reservas até 1/03. Lá em cima dá para comer alguma coisa, beber um drink. Abre de segunda a sexta das 10:00 às 18:00 horas. Nos finais de semana e feriados, das 11:00 às 21:00 horas.⁣
⁣
#skygardenlondon #mirantelondres #londresdesdecima #londonlovers #londonviews
  • Dica de Londres: na real essa dica quem me deu foi a clarissa do @dondeandoporlondres. Estava fazendo umas pesquisas em Londres e ela me disse que devia ir a Guildhall Art Gallery. Sai do Sky Garden e fui caminhando até o centro administrativo da City of London. O lugar em si já tem uma atmosfera difícil de explicar. Mas vamos lá, você vem andando entre arranha-céus, passa por edifícios neoclássicos da Justiça e de repente entra numa espécie de praça com um chão lindo e edifícios que te abraçam na sua escala. Ou seja, são grandes, mas depois de passar pela selva de pedra, parecem casas, se é que você me entende ;)⁣
⁣
Como todos os grandes museus londrinos, a entrada é gratuita. Exceto, quando abriga exposições temporárias. Primeira surpresa: os restos arqueológicos da cidade romana: Londinium, construída no século 1 d.C. e que chegou a ter entre 20.000 e 30.000 habitantes. No subsolo do Guidhall Art Gallery poderá ver alguns dos restos arqueológicos numa montagem prá lá de didática.⁣
⁣
As salas da galeria abrigam pintura vitoriana, ou seja, produzida entre 1837 e 1901, durante o reinado da Rainha Vitória. São vários estilos, pois essa denominação é temporal. As pinturas estão divididas por tema que te mostram como era a sociedade da época. ⁣
⁣
Assisti parte de um tour gratuito e se você tem um inglês intermediário, acho que valeria a pena dar uma olhada se no horário da sua visita não tem nenhum acontecendo. ⁣
⁣
Uma das peças-estrela do museu é "La Ghirlandata", pintura pré-rafaelita de Dante Gabriel Rossetti. Mas que infelizmente está sendo restaurada nesse momento. Mas mesmo assim, vale a pena a visita. Calcule entre 30 minutos e 1 hora para a visita. ⁣
⁣
#guidhallartgallery #londonmuseum #londonlovers #prerafaelita #pinturavitoriana #artlondon

Follow Me!