Guias de Viagem e Arte

 
 
maio 01 2009

Um passeio pelo centro histórico de Curitiba

Estamos na Praça Tiradentes, vamos começar nosso passeio pelo Setor Histórico desde o Alto São Francisco.
Largo da Ordem-Curitiba

Para ver este mapa com mais detalhe, clique aqui.

Depois de encarar uma leve subidinha, chegamos no nosso ponto de partida, a Praça João Cândido. Por ela passaram as tropas da Revolução Federalista (1893), iniciada no Rio Grande do Sul e que no Paraná levou ao Cerco da Lapa. Leva o nome de um médico e ex-presidente do Estado. No meio da praça vocês vêem o Belvedere.

Este mirante construído no estilo art-nouveau em 1915 (um estilo de arte onde o máximo eram as curvas inspiradas em elementos naturais), abrigou no ano de 1922 a primeira emissora de rádio paranaense, a PRB-2. Nos anos 30 foi observatório astrônomico e metereológico. Já nos anos 60 foi sede da União Cívica Feminina, que na fase pré-militar de 1964 empreendeu a “Marcha com Deus, pela Família e pela Liberdade” e organizou por aqui a campanha “Dê ouro para o bem do Brasil”.

Atrás do Belvedere você verá as Ruínas da Igreja de São Francisco de Paula. Começou a ser construída em 1808, mas pouco a pouco suas pedras foram utilizadas na torre da antiga Matriz e nas calçadas do entorno. Dizem que havia um túnel embaixo desta igreja que levava até o litoral?!!!

Olhando para o Belvedere, do seu lado esquerdo você verá o edifício do Museu Paranaense. Alberga exposições das primeiras populações do estado de cerca de 10.000 anos atrás e objetos e vestígios do dias atuais.

Desça pelo lado oposto ao museu, pela Rua Jaime Reis, antiga Avenida Cruzeiro. O nome atual é de 1918, em memória do médico, jornalista, escritor e deputado estadual Jaime Drummond dos Reis, assassinado na saída de um cinema da cidade, em 1912. Observe as residências das primeiras décadas do século XX. Olhe o calçamento da rua com os símbolos do Paraná: o pinhão e o pinheiro. Outro dos símbolos do Paraná é a ave responsável pela disseminação do pinheiro – a gralha azul.
Largo da Ordem-Curitiba

De repente, surge do teu lado direito um palacete. Um edifício de 1883, que desde 1900 alberga a Sociedade Garibaldi. Local de encontros dos imigrantes italianos, e que buscava integrá-los à nova terra. Foram estes imigrantes os primeiros a lutar pelos direitos dos trabalhadores na cidade e sua luta levou à criação da Federação Operária no Paraná. Como a Itália estava no outro bando na II Guerra Mundial, o prédio foi invadido e confiscado pelo Estado, aí virou Palácio da Justiça e Tribunal Regional Eleitoral. Mas em 1965 o edifício foi devolvido à colônia italiana.
Largo da Ordem-Curitiba
Palácio Garibaldi – Pintura de Cássio Mello

Em frente ao Palácio Giuseppe Garibaldi, esta a praça do mesmo nome. O seu principal atrativo é o Relógio das Flores, que foi doado pelos joalheiros da cidade em 1972. O comando do relógio está instalado na Igreja em frente, do Rosário, que foi a terceira Igreja de Curitiba, era uma construção do século XVIII e foi demolida em 1931, a atual é de 1946. Na época era a igreja dos escravos, levava o nome: Igreja do Rosário dos Pretos de São Benedito.
Largo da Ordem-Curitiba
Igreja do Rosário – Pintura de Cássio Mello

Atravesse a praça, veja a escultura do cavalo, na verdade a “Fonte da Memória”, que homenageia a cultura dos tropeiros e dos homens do campo que vinham até a cidade vender suas mercadorias. Neste ponto se encontrava o antigo bebedouro do século 19. A fonte é uma obra do artista Ricardo Todd, que morreu prematuramente com 42 anos de idade.
Roteiro pelo Centro Histórico de Curitiba

Siga cruzando a praça em direção ao grande edificio da Fundação Cultural de Curitiba. Neste edifício, você encontrará informação turística da cidade, mas não espere muito. O mais interessante é um caderninho com a programação cultural e o folheto do ônibus turístico.
Roteiro pelo Centro Histórico de Curitiba
Pintura de Cássio Mello do edifício da Fundação Cultural de Curitiba

O edifício da Fundação provavelmente foi construído por volta de 1880, sob as ordens da primeira família austríaca que chegou em Curitiba por volta de 1854, os Wolf. Além de residência, já foi loja maçonica, escola de artes, quartel general, até que em 1975 foi desapropriado e passou a ser sede da Fundação Cultural.

Do outro lado da rua, você verá a Igreja Presbiteriana, por que é importante? Porque foi o primeiro templo desta igreja independente depois da sua divisão em 1903, sua construção é de 1934.
Roteiro pelo Centro Histórico de Curitiba

Começamos a descer a Rua Dr. Claudino dos Santos, do teu lado esquerdo se encontra o Solar do Rosário. Se você quer comprar uma gravura de um artista paranaense, ou uma tela, aqui é o melhor lugar. Uma galeria de arte, escola e livraria se encontram em um casarão do século XIX. A livraria especializada em arte, também vende produtos por exemplo do Natal de Luz e do Festival de Teatro de Curitiba. Entre, nem que seja apenas para olhar. Existem gravuras com preços bastante acessíveis.
Roteiro pelo Centro Histórico de Curitiba
Ao lado do caixa do Itaú, a entrada para o Solar do Rosário

Continue descendo a rua, do teu lado direito está o Memorial de Curitiba, entre e ao menos veja o bonito painel que conta com imagens alguns fatos importantes da história do Brasil. Nos domingos, costumam acontecer apresentações musicais nesta espécie de palco que está abaixo do painel. Está cansado, o que você acha de uma cervejinha em um dos bares mais tradicionais de Curitiba?
Roteiro pelo Centro Histórico de Curitiba

Ao lado do Memorial você encontra o Bar do Alemão, é difícil encontrar um curitibano que nunca tenha entrado neste local! Faz parte da alma da cidade, com seus 29 anos de idade! Aproveite para tirar uma foto “a la alemão” no painel da entrada!

Depois desta parada estratégica, desça até o Largo, mais conhecido como Largo da Ordem. Muitos curitibanos se referem a todo o setor histórico com este nome, mas o largo é esta parte final. O nome oficial é Coronel Enéas. Estando no Largo você verá a Igreja da Ordem, de 1737, que foi restaurada em 1880 para a visita do Imperador D. Pedro II. Esta igreja alberga o Museu de Arte Sacra.
Setor Histórico de Curitiba
Igreja da Ordem – Pintura de Cassio Mello

Quase ao lado, você verá uma casa branca, a segunda construção mais antiga conservada da cidade. Uma casa estilo açoriano do século 18, que já foi residência, açougue e armazém de secos e molhados. Desde 1973 é uma casa de exposições, e seu nome – Romário Martins – é uma homenagem ao cronista e historiador da cidade, que viveu entre 1874 e 1948. No centro do largo, o antigo bebedouro para os cavalos.

Do outro lado, outra casa emblemática é a Casa Vermelha. Construída em 1891 pelo alemão Wilhelm Peters. Em 1929 foi comprada por Benjamin Zilli que instalou seu comércio atacadista de ferragens, desde 1993 também pertence à Fundação Cultural de Curitiba. Eu já trabalhei aí como monitora de uma exposição da Bienal de Gravura.

Quase ao lado da Casa Vermelha está a Galeria Julio Moreira que te permite cruzar a rua por um subterrâneo, aproxime-se mas não cruze, admire os dois painéis que estão na rua, são de Poty Lazarotto, um dos maiores artistas paranaenses. O que você vê bem em frente mostra cenas e lugares típicos da cidade, e o que está nas suas costas lembra que no setor histórico aconteciam as feiras, quando os agricultores traziam seus produtos pra vender na cidade.
Setor Histórico de Curitiba

UFA! Ainda temos muito para ver, mas o que você acha de comer alguma coisinha? No próximo post uma dica para almoçar no Setor Histórico, até lá …

Pinturas: Cassio Mello
Mapa: Google Maps
Fotos: turomaquia_2007 e 2009

5 Comentários

  1. Viniart

    Olá minha querida amiga, agora mais do que nunca este roteiro estupendo me deixou de queixo caido !Realmente cá em curitiba sempre houve uma predominância maior a arte e a conservação do artístico, principalmente pela grande presença européia de italianos e alemães !!!Adorei a aula de estória e arte ! parabéns !E por falar nisso, vi que em uma foto no memorial de curitiba tem um painel, não sei se estou certo mas parece ser do Sérgio Ferro artista curitibano não é isso mesmo !? O trabalho dele é fantástico !beijos adorei seu post !

    responder
  2. le

    Lembro q no primeiro ou segundo ano de facu tive que fazer um roteiro de praças e monumentos de curitiba…

    responder
  3. Patricia de Camargo

    Vini, você está certíssimo é do Sergio Ferro, Você tem mais info sobre ele???Beijos

    responder
  4. Patricia de Camargo

    Lê, e tem alguma dica para dar para a gente???Beijos

    responder
  5. Toco

    Apareçam no Restaurante Sr. Garibaldi. É a casa vermelha em frente ao relógio das flores. Aparece em uma das fotos.Vejam o site http://www.senhorgaribaldi.com.br

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Depois de ver a série sobre Chernobyl na HBO, decidi comprar o livro da bielorussa e ganhadora do Nobel da Literatura, Svetlana Alexiévich. 🌟Madre mía, que livro. Para quem assistiu a mini série, a história do bombeiro e sua esposa é uma das que aparece nesse conjunto de entrevistas que pouco a pouco conformam diante de nossos olhos a história das pessoas invisíveis e muitas delas “desaparecidas” graças ao acidente de Chernobyl.

Essas vozes vão desenhando o que verdadeiramente aconteceu naquele 26 de abril de 1986 e nos meses subsequentes. E no fundo, vamos compreendendo como se forjou o caráter soviético resignado de entregar à própria vida ao Estado.

Entramos na vida de pessoas que de crianças sofreram com o Cerco a Leningrado (atual São Petersburgo) e que por ironia do destino hoje vivem na enorme área afetada pelo desastre. ➡️ Mas que vivem, sobrevivem vendo crianças que sucumbem aos mais diversos tipos de câncer, mulheres e homens que não podem ter filhos e um desalento que lhes leva a viver de glórias  e tempos passados. Porque além do desastre, das casas que deixaram, dos seres amados que perderam, também viram como seu mundo inteiro desabava com a quebra do bloco soviético.

A escrita de Svetlana é brilhante e como o outro livro que comentei “Pátria”, devia ser outra leitura obrigatória no Ensino Médio. Daqueles livros que fazem com que saímos da zona de conforto do nosso próprio umbigo, porque nos revela um sofrimento que dificilmente quaisquer de nós poderia suportar. Uma zona do mundo onde reina a desesperança. (Link da edição em português na bio)

#chernobyl #svetlanaalexievich #turolivros #oqueler  #vozesdetchernobil #desafioumlivropormês #books📚
  • Nem só do mosteiro vive Alcobaça. Dá uma olhada nas primeiras fotos 🤪 Preparei um guia completo para você desfrutar muito da cidade e do seu Patrimônio Mundial da Humanidade. Link na bio 👈🏽 #alcobaca #portugalovers #foodlovers #ondecomeremportugal #centrodeportugal #restauranteportugal #patrimoniomundialdelahumanidad
  • A Grécia 🇬🇷 nos faz felizes 💙 Qual lugar enche tua alma de felicidade, carrega tuas pilhas?

#greecelovers #grecia #creta #happymoment #travel_captures
  • Coisas que só a Grécia faz por você! Não é só o por do sol claro 🤪 É ver no mesmo dia sítios arqueológicos, praias de águas cristalinas com tumbas romanas, cidades históricas e restaurantes de beira de estrada incríveis. E terminar a jornada com este panorama 💙🧡 Tudo isso é mais você pode ver no post sobre nossas 24 horas de carro em Creta. O link está na bio 👀

Você conhece Creta? Qual é teu lugar favorito dessa ilha?

#creta #rethymnon #greecelovers❤️🇬🇷 #roteirodecarro #grecia
  • Diz se essa avenida não é linda!? Fica na entrada de Telde, que é uma cidade do lado da minha e é também onde se encontra o aeroporto da ilha. 
#grancanarialovers #telde #canaryislands🌴 #beautifulstreet
  • Uma das igrejas mais surpreendentes que eu já visitei ☀️ olha a foto do exterior para entender um pouco a minha surpresa! 🌎 Tem roteiro com mapa no Turomaquia.com para vc curtir a cidade que abriga está belezura. Aliás, esse é um dos bate e volta clássicos desde Milão. ❓Qual foi a igreja que vc visitou que mais te surpreendeu?

#barroco #roteiroitalia #italialovers #bergamo #milao

Follow Me!