Guias de Viagem e Arte

 
 
fev 12 2013

Bucket List de Viagens – Vanessa Aguilera

Para ler a primeira parte do texto, clique aqui.

Já em relação aos lugares que desejo muito conhecer, encontram-se aqueles destinos intimamente ligados à alguma parte da minha história, família ou interesses específicos. São eles:

Coreias (Norte e Sul)
Meu avô materno nasceu na Coreia, porém foi naturalizado japonês, ao se mudar ainda bebê pra lá. Mesmo assim, meu interesse em conhecer as duas Coreias é gigante, tendo em vista toda a trajetória política que os meus ancestrais tiveram e que até hoje me influenciam.
Jeonju, South Korea
Foto de Emmanuel Dyan

Kyoto, Japão
Sendo bem sincera, cresci alimentando uma aversão ao Japão, pelo fato da disciplina dura sob a qual minha mãe cresceu, pelos vários parentes que trocaram o Brasil e foram viver e trabalhar em terras japonesas e pelo tio querido que perdi pro trânsito de Tóquio. Porém, de uns tempos pra cá, meu interesse pelo Japão foi despertando, ao ler mais a respeito. E escolhi a cidade de Kyoto não somente por ser a antiga capital imperial e por ser considerada no passado o centro da religião e da cultura japonesas, mas pelo simples fato do meu avô (coreano) ter crescido lá.
Gion-antigüo barrio de las geishas, Kioto
Foto de Marta Sadowska

Setenil de las Bodegas, Espanha
Já dizia o Drummond: “No meio do caminho tinha uma pedra.” Mas na cidade natal do meu avô paterno, onde começou a “Família Aguilera”, essa pedra não foi obstáculo e a arquitetura deste município espanhol, na província de Cádiz (Andaluzia), foi moldada sem alterar a forma original das rochas. Curiosamente, muitos cômodos nas casas exibem paredes da própria pedra. Mais do que estar na minha bucket list, é talvez o maior dos desejos de viagem do meu pai. Das vezes que estive na Espanha, não consegui chegar até lá, mas em 2013 o plano é voltar e agora com a família.
Setenil de las Bodegas Setenil de las Bodegas
Foto de Duncan e de http://www.flickr.com/photos/kans1985/

Blue Hole, Ambergris Caye, Belize
Uma das coisas que ainda não experimentei é o mergulho. E além de Fernando de Noronha (que também habita a bucket list), o lendário “Blue Hole”, descrito por Jacques Cousteau como “um dos quatro locais imperdíveis para mergulho neste planeta azul”, está no topo da lista quando o assunto é barreira de corais, já que a de Belize é considerada a segunda maior do mundo e a mais longa do hemisfério ocidental, com 300km de extensão.
Belize-Blue-Hole
Foto de http://www.charterworld.com/news/sunsail-announce-new-belize-italy-yacht-charter-loacations/belize-blue-hole

Devil´s Pool, Victoria Falls, Zambia
Minha bucket list contempla várias situações pela África. Mas ao eleger uma, escolhi a Zambia. Tudo começou com uma foto curiosa circulando na internet de uma jovem que parecia despencar de uma catarata. Pois bem. Tempos depois, descobri quase sem querer que o lugar existia e que a foto era real. A partir disso, coloquei um banho na Devil´s Pool na minha bucket list de viagens.

Video de http://www.youtube.com/user/samiam2310?feature=watch

Visitar “a cidade proibida”, Pequim, China
A China é daqueles destinos que precisam ser vividos várias vezes e de diferentes formas. Claro que as famigeradas muralhas estão na minha lista, mas quero aqui destacar meu interesse pela “Cidade Proibida”, a cidade dentro da cidade. É considerado um dos maiores palácios do planeta, além do maior, mais completo e mais bem preservado conjunto de edifícios antigos da China. Serviu de corte para muitos imperadores do início da dinastia Ming à queda da dinastia Qing. Durante aproximadamente cinco séculos, foi fechada para os cidadãos, aberta apenas pra família do imperador e alguns oficiais e empregados autorizados.

Lhasa, Tibet, China
Conhecida como a “Terra Sagrada”, Lhasa é uma das cidades mais altas do mundo e conhecida pela sua importante tradição budista. Além disso, é local onde Dalai Lama, líder espiritual e governador do Tibet de 1940 até o exílio de 1959 na Índia, viveu até a ocupação chinesa. Não somente fascinante pela questão espiritual, mas também pela história, marcada por guerras e conquistas.
Potala Palace, Lhasa
Foto de http://www.flickr.com/photos/ddanforth/

Varanasi, Índia
Pra mim, a Índia é como a China. Precisaria de várias vidas pra conhecer e compreender esses dois fascinantes países. Sim, eu também quero conhecer o belíssimo Taj Mahal, em Agra, mas eu descobri um certo fascínio é por Varanasi. Centro do hinduísmo, às margens do Rio Ganges, considerada uma das cidades mais antigas do mundo, a cidade pode parecer feia aos nossos olhos de turista, mas belíssima e incrivelmente surpreendente aos nossos olhos de viajante. Não sei explicar, mas tenho quase certeza que visitá-la leva à uma transformação, principalmente em relação à compreensão de um dos assuntos mais difíceis: a morte. Preciso aqui fazer referência a um post muito bem escrito e emocionante, do Arnaldo, do blog Fatos e Fotos de Viagens: “Morte, um evento positivo”: http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2012/3/29/varanasi-morte-um-evento-positivo.html
Varanasi
Foto de Mathew Knott

Delta do Rio Mekong, Sudeste Asiático
Dizer que quero conhecer as belíssimas praias da Tailândia, andar de bicicleta por Bali, na Indonésia, experimentar a badalada e moderna Singapura, vivenciar os templos do Camboja, como o lindíssimmo Angkor Wat, etc etc … é chover no molhado. Na verdade, o topo da minha bucket list é habitado por “alguns meses no Sudeste Asiático”, sem qualquer pressa, sem qualquer roteiro. Mas pra ilustrar a região, escolhi a navegação pelo Delta do Rio Mekong, que une Laos, Camboja e Vietnã, e que me despertou a curiosidade após participar de uma apresentação sobre a região num dos Encontros de Viajantes, promovido pelo blog “Quatro Cantos do Mundo”, aqui em São Paulo.
Row Boat in the Weeds [Mekong Delta, Vietnam] Incense stick bundles at home incense factory; Mekong River Delta, Vietnam
Foto de Stephanie e e de http://www.flickr.com/photos/lonqueta/

Grécia
Ahhhh … a Grécia. Talvez o país que habita a minha bucket list há mais tempo. Considerada o berço da democracia, da filosofia e também da ciência política , ela não poderia ficar de fora dessa difícil escolha. Mesmo na crise atual, visitá-la deve ser algo impressionante. E preciso confessar o meu desejo “mulherzinha”: ilhas gregas. Se um dia eu tiver uma lua de mel, que seja pra lá.
shipwreck zakinthos
Foto de Karolina Lubryczynska

Faltou a Transiberiana, Berlim, Turquia, Praga, Madagascar, Seychelles, entra tantos outros destinos. Foi bem difícil fazer essa escolha (e olha que extrapolei os limites do post), já que todo e qualquer lugar é sempre bem-vindo. Mas fica aqui a minha participação e obrigada pela oportunidade de dividir parte dos meus desejos com outros viajantes.

A Vanessa Aguilera, tuita sobre suas viagens no @aguilera13 e é colaboradora do blog “Diário de Mochileiro“.

Posts Relacionados:
Veja como participar – Como tudo começou
Bucket Lists desta temporada:
Inauguração da 2a. temporada
Claudia do Aprendiz de Viajante
Alexandre do Blog do Xan
Camila do Colecionando Imãs
Jackie e Rômulo do Viaje Sim
Nathalia do Nathalia Depolo
Dany do Feriado Pessoal
Lilian dos Nerds Viajantes
Helder dos Nerds Viajantes
Helô do Aprendiz de Viajante
Lê Favero Pelagio
Luffi do Carimbo no Passaporte
Jr. Caimi do Tip Trip Viagens
Fabio do Viagens Cinematográficas
Thais e Thato Laos
Diogo do Cumbicão
Natália do Ziga da Zuca
Daniel – Turomaquia e Doc Brazil

Postado por Patricia de Camargo | Marcadores:

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Pessoas, pessoas, pessoas ... mesmo num mundo polarizado, são os encontros que marcam nossa existência, enfim que nos fazem felizes. Hoje graças a minha amiga Leidinara do @curitidoce conheci a Kitsten do @travelandabroad que me fez essa foto, que revela como eu sou em dias em que os encontros deixam minha alma leve, leve ... Brigaduuuu Kitsten e Lola 🥰

#fotografamadrid #madri #museoreinasofia #photoshoot #hapiness
  • Olha a quantidade de pássaros no lago do  Parque del Retiro 😱

O clima está meio maluco. Choveu, fez sol, frio, nem tanto, tá parecendo Curitiba 😂

#parquedelretiromadrid #madridlovers❤️ #roteiromadri
  • Você está participando do #lendoarte2020? Se está, tenho uma baita novidade, a criação de um guia de leitura. Como o livro do Will Gompertz não traz muitas imagens, vou colocar nesse guia, as imagens das obras citadas e material extra para quem tiver a fim de saber mais sobre o tema tratado a cada capítulo. ⁣
⁣
O post está no www.turomaquia.com (coloque o link na bio) e nele pouco a pouco vão aparecer todos os capítulos. Hoje já pode consultar o material do capítulo1, mas até o final da semana, nesse mesmo link terão à disposição as imagens dos capítulos 2 e 3. Curtiu a ideia? Tem alguma sugestão de outras coisas que gostaria de ver nesse "Guia de Leitura do Isso é Arte"?⁣
⁣
Post: http://bit.ly/isso-e-arte⁣
⁣
#issoearte #willgompertz #historiadaarte #lendoarte #duchamp #elsa #afonte #artemoderna #arteconceitual
  • Me comportei muito bem, olha só o que os Reis trouxeram do Oriente 😜😜😜 #presentesdenatal #livrodemoda #livrodearte #maximhuerta #klimt #pullandbear #itcosmetics
  • O primeiro mangá da Editora Pipoca & Nanquim lançado em 2018. O personagem nos leva pelas salas do Louvre acompanhado por uma de suas divas. É uma edição linda e de grande formato. ⁣
⁣
O que eu achei mais legal foi que o autor fala de alguns artistas que não são aqueles mais buscados pelos turistas. É claro que Da Vinci aparece, mas também um pouco conhecido pelo grande público, Daubigny.⁣
⁣
O livro não se restringe ao Museu do Louvre, o personagem viaja a uma cidade próxima à Paris para se encontrar com outro grande artista ;)⁣
⁣
É uma leitura rápida. Daqueles livros para deixar na mesa da sala e rever os desenhos, bem como para  proporcionar às nossas visitas algo muito mais lindo e interessante do que uma revista de fofocas ;) #desafio1livropormês #livrosdearte #turolivros #mangaartist #louvremuseum #jirotaniguchi #pipocaenanquimeditora
  • Uma alegoria do sonho americano através da saga de uma família imigrante, os Levov. O personagem principal que parece ser e ter tudo, vê pouco a pouco como sua vida desmorona, ou melhor, a visão da perfeição que ele tinha de si mesmo e de todos aqueles que o rodeavam.⁣
⁣
Uma novela que fala sobre nossa humana debilidade em sempre tentar encontrar motivos, razões pelas quais coisas ruins, estranhas, sem sentido, acontecem em nossas vidas. E portanto, também é uma ode (de certa forma) à perda da inocência. ⁣
⁣
Philip Roth ganhou o Prêmio Pulitzer por essa novela  em 1998.⁣
⁣
Li o e-book e curti muito até os 70%, depois achei meio arrastado. Mas ninguém pode dizer que o final não é surpreendente.⁣
⁣
"Viver é entender as pessoas errado, entendê-las errado, errado e errado, para depois, reconsiderando tudo cuidadosamente, entender mais uma vez as pessoas errado. É assim que sabemos que continuamos vivos: estando errados. Talvez a melhor coisa fosse esquecer se estamos certos ou errados a respeitos das pessoas e simplesmente ir vivendo do jeito que der. Mas se você é capaz de fazer isso ... bem, boa sorte".⁣
⁣
"Ele aprendera a pior lição que a vida pode ensinar - que ela não faz sentido. E quando isso acontece, a felicidade nunca mais é espontânea. É artificial e, mesmo então, obtida ao preço de um tenaz alheamento de si mesmo e da própria história".⁣
⁣
"Quem é que está preparado para a tragédia e para o absurdo do sofrimento? Ninguém. A tragédia do homem despreparado para a tragédia - esta é a tragédia do homem comum".⁣
⁣
"O que o estava deixando espantado era como as pessoas pareciam correr para longe de si mesmas, correr para longe da matéria mesma, qualquer que fosse ela, que fizera dessas pessoas aquilo que eram e, assim drenadas de si mesmas, elas se transformavam no tipo de gente de quem, em outros tempos, elas mesmas teriam sentido pena". ▶️ Para comprar ou saber mais, clique no link da bio.

#booklover #philiproth #apastoralamericana #desafioumlivropormes

Follow Me!