Guias de Viagem e Arte

 
 
jul 19 2011

Umas com tanto, outras com nada – Blogagem Coletiva

Sobre a Blogagem coletiva
Semanas atrás, numa tweeting conversation entre a Cláudia, Natalie, Carina, Patricia, CarmemMarcie, surgiu a ideia de listar os lugares que cada uma considerava “viu-tá-visto”. Aí a conversa evoluiu e decidiram fazer também uma segunda lista – com cidades ou países para onde voltariam sempre. Como a idéia parecia boa, uma comentou aqui, outra comentou ali… no fim,  a notícia se espalhou e conquistou dezenas de adeptos. Diante disso, decidiu-se fazer uma blogagem coletiva.

umas com tanto
Os destinos são como as pessoas, com algumas você tem este “feeling”. Este sentimento estranho e ao mesmo tempo agradável de conhecer a tanto tempo, mesmo quando acabou de ser apresentado. Este feeling inicial pode gerar uma onda energética tão boa, que todo o universo conspira para aumentar ainda mais esta proximidade. Ou seja, é aquela viagem em que tudo sai tão bem, que na despedida você quase chora. Caso você seja do tipo durão, ao menos pensa: “Oxalá, eu volte aqui!”

Tive este “feeling” desde a primeira visita com Madri. Eu vivo a 2 horas e meia voando da cidade, mas saber que estou no avião a caminho, já é meio orgasmo garantido. Madri não é burocrática. Come-se de maravilha, e por que digo isso? Prá mim é difícil a paixão se o estômago não se satisfaz durante a viagem. Não precisa ser um banquete. Um suco, um pão, afinal no simples mora o prazer. Se é complicado, ai ai … Aí o prazer tem que ser dobrado, senão não vale o sacrificio.
Image00008
Os destinos que eu não voltaria, geralmente estão associados a estados de ansiedade e certos sacrifícios que (para mim!) compensaram a primeira visita, mas difícilmente me levariam à repetição. Eu tenho trauma de sapo. É bem feio culpar os outros, mas meu problema é culpa de uma professora de biologia que me expôs ao ridículo numa aula prática. Tinha a ver com sapo, com segurá-lo, com matá-lo, etc. Fui a lugares que tinham muitos sapos, experiências delirantes, mas voltaria? Difícil!

Não vou dar nomes aos burros. Eu ficaria um pouco decepcionada, e isto é perigoso dizer, se alguém apontasse Curitiba como cidade de uma vez só! Ou Madri! Não curto a expressão: “Tá visto!”
Image00009
Por outro lado, há cidades tão intensas que voltar é perigoso. Lanzarote é destas cidades.A ilha de Manrique, a ilha de Saramago, a ilha do vento constante, a ilha das casinhas brancas, a ilha que mais parece uma lua, a ilha que te leva o pensamento lá prá longe … daí o perigo!
Image00006
Há lugares que são feios. Não feinhos, feios de doer, mas que cativam. Pela companhia? Pode ser. Porque de tão feios chegam a ser super fotogênicos? Pode ser. Como Juliaca. Bem pertinho de Puno, no Peru. Pertinho da cidade do Lago Titicaca. Um caos e um redemoinho de gente que hipnotiza. Uma cidade sincera com o viajante, e já dizia Clarice Lispector. “O que é bonito me encanta, mas o que é sincero me fascina”.
Image00003 Image00001
Image00002

Cidades certinhas demais me irritam. Tal como as pessoas que parecem perfeitas e estão sempre rindo. Rindo à toa. Tenho uma queda pelas cidades que o “inconsciente coletivo”tacha como cidades de uma vez só. Um exemplo: Bruxelas. Como você pode riscar da tua vida uma cidade que cheira a chocolate?
Image00007
Para terminar, reafirmo que as cidades são como pessoas. Merecem uma segunda chance. Quem sabe deveríamos utilizar as palabras da Lispector tanto para uns como para as outras: “Decifra-me, mas não me conclua, eu posso te surpreender”.

Também estão participando desta blogagem coletiva:
http://www.abrindoobico.com
http://www.aprendizdeviajante.com
http://www.big-trip.net
http://www.cadernotiahelo.blogspot.com
http://www.deunstempospraca.blogspot.com
http://www.dicasroteirosviagens.com
http://www.dondeandoporai.com.br
http://www.drieverywhere.net
http://www.guardandomem.blogspot.com
http://www.inquietosblog.com.br
http://www.jrviajando.com
http://www.ladyrasta.com.br
http://www.luciamalla.com
http://www.majots.wordpress.com
http://www.miblogito.blogspot.com/
http://www.mauoscar.com
http://www.mikix.com
http://www.olhandomundo.wordpress.com
http://www.oqueeufiznasferias.com.br/blog
http://www.pelo-mundo.com
http://www.psiulandia.blogspot.com
http:///www.rosmarinoeoutrostemperos.blogspot.com
http://www.sambalele.everyblue.com
http://www.senzatia.com
http://www.sundaycooks.com
https://www.turomaquia.com
http://www.viagempelomundo.com
http://www.viaggiando.com.br
http://www.viajarepensar.blogspot.com
http://flashesdeviagem.blogspot.com/

fotos: turomaquia_2010_2011

Postado por Patricia de Camargo | Marcadores:

25 Comentários

  1. Lelei

    Adorei o post com os motivos fofos 🙂 E discordamos de Bruxelas, mas é até porque já fui duas vezes e sou mão-de-vaca de ficar repetindo o mesmo lugar sem um motivo forte e preferencialmente com hospedagem de grátis!

    responder
    • Patricia de Camargo

      hehehe eu tinha certeza que Bruxelas ia cair no “tá visto”. Acho que o problema de Bruxelas é que não é uma cidade que se mostra à primeira, é preciso “vasculhar” a cidade.
      beijos

      responder
  2. Graziela Flor

    Muito bom seu texto, que palavras lindas e cativantes…
    Madrid e’ Madrid e sempre e’ bom voltar, por diversos motivos…
    Agora como nao voltar a uma cidade que cheira chocolate… ai voce quebrou as pernas de todo mundo e me deixou com a pulga atras da orelha para ir para la.
    Obrigada pelo texto encantador.
    Abracos
    Graziela

    responder
    • Patricia de Camargo

      Tô bem feliz em saber que Madri está na maior parte das lista do “voltar e voltar”!!!
      beijos

      responder
  3. Lena

    Onde aplaude?? AMEI 🙂

    responder
    • Patricia de Camargo

      Brigaduuu Lena 😉

      responder
  4. Camila Navarro

    Também adorei! E concordo com a questão da segunda chance. Acho que quando não gostamos de alguma viagem, o problema deve estar em nós…

    Beijos!

    responder
  5. Marcie

    Já tivemos nossa conversa a respeito de Bruxelas lá no twitter, certo? E, concordando com a teoria de dar uma segunda chance, eu dei. 3 chances, aliás. E não vai, mesmo! Mas para encontrar amigas, vou correndo….hahaha!

    Madrid mora no meu coração, mesmo.

    E as Ilhas Canárias estão na minha wish list. Um dia eu ainda chego lá.

    responder
  6. Clarissa Donda

    Tô procurando o botão “curti horrores” aqui…

    Adorei o post, adorei as colocações, adorei as interpretações subjetivas de cada cidade…

    Também tenho uma queda por essas cidades caóticas e fascinantes sim… que não tem nada que “objetivamente” e aos olhos do senso comum te fariam apaixonar-se por elas, mas que exatamente por isso a química acontece…

    E concordo com a questão de se deixar surpreender pela cidade… acho que isso depende mais do viajante que do destino em si…

    responder
  7. Guta

    Adorei o post Patricia! Essa frase “O que é bonito me encanta, mas o que é sincero me fascina” é muitooooo boa, tanto para destinos quanto para pessoas
    Fico com um pouco de receio de falar de algum lugar que eu nao voltaria…nunca diga nunca né?!
    Mas agora os lugares que eu quero voltar estão um perigo! A lista ficando tão grande quanto os destinos de 1ª viagem! rs
    Semana corrida por isso q não deu para participar dessa blogagem coletiva, mas na próxima me chamem! Adorei!!!
    bjus

    responder
  8. Arthur

    Curti!!!!!!! Likei 😉

    responder
  9. Carina-Senzatia

    Muito bacana teu texto, Pat!! Ate fiquei com vontade de conhecer Juliaca! heheh Super beijo!

    responder
  10. Junior-JRviajando

    Também quero o botão “aplaudir”!
    Belíssimo texto, Patricia.
    Fiquei ate meio assim, sabe… sobre falar que não volto para uma cidade querida de alguém…
    Principalmente porque vai dar mesmo uma dorzinha quando eu ler que alguém não volta pra Curitiba… 😉

    Abraço e parabéns!

    responder
    • Patricia de Camargo

      Brigaduuu JR 😉
      beijos

      responder
  11. Wanessa

    Patrícia, tenho a mesma queda por essas cidades rejeitadas, das quais parece que ninguém gosta. Já fui e voltaria a Bruxelas com gosto (até planejo isso, veja só!). Acho que Budapeste é da mesma categoria, coitada, e eu adorei a cidade!

    responder
    • Patricia de Camargo

      Wanessa, eu também adorei Budapeste. Uma das minhas melhores amigas é húngara e foi ela quem me apresentou a cidade!
      beijos

      responder
  12. Lu Malheiros

    Acho que é isso: “o que é sincero me encanta”!
    Não teve jeito, não fui com a cara de Cingapura! Fake demais pra mim!

    responder
  13. Gustavo - Viajar e Pensar

    Oi Patrícia,

    Bem colocado, realmente a ansiedade pode ser positiva ou negativa. Tinha grande vontade e expectativas com Paris, que me deixam até hoje em dúvida se gosto ou não de Paris. Marcarei um repeteco para eliminar a dúvida.
    Quanto a Madri eu adorei e me deixou muito empolgado com a cidade.
    Realmente com esta história de Blogagem coletiva uma das coisas que mais me deu medo era se alguém detonar ou falar que nunca mais voltaria a Florianópolis, mesmo sabendo que em muitos aspectos deixamos a desejar em e se somados a isto pegar chuva e vento, será uma bomba.

    Beijão e muitas viagens para nós!!!

    responder
  14. CarlaZ

    Pati,
    Adorei o texto! Adorei!
    E essa blogagem coletiva ta me deixando com taaanta vontade de ir a Madri!
    E fiquei pensando como não botei Ilhas Canárias na minha Bucket List!!! Deve ser porque está na listinha das próximas.
    Beijos

    responder
  15. Celina

    Delícia de post, praticamente uma poesia!

    responder
  16. Denise Mustafa

    Pati, um dia eu quero voltar nas Canárias (tá lá nos meus lugares que quero voltar) e quero muito conhecer Lanzarote. Acho que pelo amor que tenho pelo Saramago. Aproveito e vou te encontrar, que tal? Vamos torcer!
    E Madrid, pra mim, tb é um lugar pra se voltar sempre. Saudade de quando só precisava pagar 5 euros e ir do Porto pra Madrid, numa piscada de olhos!
    beijão!

    responder
  17. Adri Lima

    Adorei Madrid, mas só penso em voltar lá pelos bate-voltas… depois de tanta visita a tanto blog que joga Madrid nas alturas, preciso repensar e dar uma segunda chance. Apesar de saber que, mesmo se eu não desse a segunda chance a Madrid, ela me puxaria, só pelos atrativos tão próximos…

    Preciso, no mínimo, voltar a Toledo para comprar um contêiner de marzipans… 🙂

    responder
  18. Mirella

    Bruxelas é mesmo sem gracinha, né? Falta personalidade… enquanto Gent dá show (em se tratando de Belgica).
    Demorei para vir ver sua lista… mas cade o tempo de ler tudo? 🙂
    bjs

    responder
  19. Lucia Malla

    Amei seu post, Patrícia! Muito lírico e bacana! As cidades são como pessoas, mesmo. E, pra complementar, acho q as cidades de fácil decifração em geral são as menos atraentes. O legal é rolar um certo mistériozinho, né não? 🙂

    Bjs!

    (E sim, só hj estou tendo tempo de ler os posts da blogagem coletiva. Q vergonha…)

    responder
    • Patricia de Camargo

      Eu concordo contigo Lucia, prefiro as misteriosas! 😉
      beijos

      responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Pessoas, pessoas, pessoas ... mesmo num mundo polarizado, são os encontros que marcam nossa existência, enfim que nos fazem felizes. Hoje graças a minha amiga Leidinara do @curitidoce conheci a Kitsten do @travelandabroad que me fez essa foto, que revela como eu sou em dias em que os encontros deixam minha alma leve, leve ... Brigaduuuu Kitsten e Lola 🥰

#fotografamadrid #madri #museoreinasofia #photoshoot #hapiness
  • Olha a quantidade de pássaros no lago do  Parque del Retiro 😱

O clima está meio maluco. Choveu, fez sol, frio, nem tanto, tá parecendo Curitiba 😂

#parquedelretiromadrid #madridlovers❤️ #roteiromadri
  • Você está participando do #lendoarte2020? Se está, tenho uma baita novidade, a criação de um guia de leitura. Como o livro do Will Gompertz não traz muitas imagens, vou colocar nesse guia, as imagens das obras citadas e material extra para quem tiver a fim de saber mais sobre o tema tratado a cada capítulo. ⁣
⁣
O post está no www.turomaquia.com (coloque o link na bio) e nele pouco a pouco vão aparecer todos os capítulos. Hoje já pode consultar o material do capítulo1, mas até o final da semana, nesse mesmo link terão à disposição as imagens dos capítulos 2 e 3. Curtiu a ideia? Tem alguma sugestão de outras coisas que gostaria de ver nesse "Guia de Leitura do Isso é Arte"?⁣
⁣
Post: http://bit.ly/isso-e-arte⁣
⁣
#issoearte #willgompertz #historiadaarte #lendoarte #duchamp #elsa #afonte #artemoderna #arteconceitual
  • Me comportei muito bem, olha só o que os Reis trouxeram do Oriente 😜😜😜 #presentesdenatal #livrodemoda #livrodearte #maximhuerta #klimt #pullandbear #itcosmetics
  • O primeiro mangá da Editora Pipoca & Nanquim lançado em 2018. O personagem nos leva pelas salas do Louvre acompanhado por uma de suas divas. É uma edição linda e de grande formato. ⁣
⁣
O que eu achei mais legal foi que o autor fala de alguns artistas que não são aqueles mais buscados pelos turistas. É claro que Da Vinci aparece, mas também um pouco conhecido pelo grande público, Daubigny.⁣
⁣
O livro não se restringe ao Museu do Louvre, o personagem viaja a uma cidade próxima à Paris para se encontrar com outro grande artista ;)⁣
⁣
É uma leitura rápida. Daqueles livros para deixar na mesa da sala e rever os desenhos, bem como para  proporcionar às nossas visitas algo muito mais lindo e interessante do que uma revista de fofocas ;) #desafio1livropormês #livrosdearte #turolivros #mangaartist #louvremuseum #jirotaniguchi #pipocaenanquimeditora
  • Uma alegoria do sonho americano através da saga de uma família imigrante, os Levov. O personagem principal que parece ser e ter tudo, vê pouco a pouco como sua vida desmorona, ou melhor, a visão da perfeição que ele tinha de si mesmo e de todos aqueles que o rodeavam.⁣
⁣
Uma novela que fala sobre nossa humana debilidade em sempre tentar encontrar motivos, razões pelas quais coisas ruins, estranhas, sem sentido, acontecem em nossas vidas. E portanto, também é uma ode (de certa forma) à perda da inocência. ⁣
⁣
Philip Roth ganhou o Prêmio Pulitzer por essa novela  em 1998.⁣
⁣
Li o e-book e curti muito até os 70%, depois achei meio arrastado. Mas ninguém pode dizer que o final não é surpreendente.⁣
⁣
"Viver é entender as pessoas errado, entendê-las errado, errado e errado, para depois, reconsiderando tudo cuidadosamente, entender mais uma vez as pessoas errado. É assim que sabemos que continuamos vivos: estando errados. Talvez a melhor coisa fosse esquecer se estamos certos ou errados a respeitos das pessoas e simplesmente ir vivendo do jeito que der. Mas se você é capaz de fazer isso ... bem, boa sorte".⁣
⁣
"Ele aprendera a pior lição que a vida pode ensinar - que ela não faz sentido. E quando isso acontece, a felicidade nunca mais é espontânea. É artificial e, mesmo então, obtida ao preço de um tenaz alheamento de si mesmo e da própria história".⁣
⁣
"Quem é que está preparado para a tragédia e para o absurdo do sofrimento? Ninguém. A tragédia do homem despreparado para a tragédia - esta é a tragédia do homem comum".⁣
⁣
"O que o estava deixando espantado era como as pessoas pareciam correr para longe de si mesmas, correr para longe da matéria mesma, qualquer que fosse ela, que fizera dessas pessoas aquilo que eram e, assim drenadas de si mesmas, elas se transformavam no tipo de gente de quem, em outros tempos, elas mesmas teriam sentido pena". ▶️ Para comprar ou saber mais, clique no link da bio.

#booklover #philiproth #apastoralamericana #desafioumlivropormes

Follow Me!