Guias de Viagem e Arte

 
 
jun 19 2012

Trabalhando na Nova Zelândia – Parte 2

Trabalhando na Nova Zelândia
Mais uma parada para capitalizar a viagem, agora bem ao norte da ilha sul, em Bleinhem. O trabalho foi novamente em uma fazenda, porém desta vez na poda das uvas. Nessa cidade descobrimos algumas informações surpreendentes sobre a produção de uvas e vinhos. E foi num dos maiores vinhedos do mundo em uma mesma fazenda, ARA (http://www.winegrowersofara.co.nz/), onde pedimos o novo. Conseguimos, mas antes uma semana de treinamento recebendo por hora. Depois, de novo trabalho por produção. Como na época do ano que chegamos era a poda, recebíamos por planta podada.

Mais uma vez, uma vista cênica sensacional. O vinhedo ficava no meio de uma cadeia de montanhas. Uma linha interminável de pés de uvas plantados em blocos, nossa função era cortar os galhos, deixando apenas 5 e lipá-los. Para isso tínhamos um cinto com dois alicates de tamanhos diferentes, óculos de proteção e luvas.
Trabalhando na Nova Zelândia
Trabalhando na Nova Zelândia

Pensei acho que já vi esse filme, no entanto dessa vez teve uma grande diferença, além de fazer muito menos força, me adaptei melhor. Passei de ser o último colhedor de maçã, para estar entre o top 5 na poda das uvas, o que sendo pago por produção melhorou em muito o salário.
Trabalhando na Nova Zelândia

Logo após a adaptação ao novo trabalho e um período trabalhando no ARAvine, conseguimos um contato que nos levou para a concorrência, trabalhadores qualificados, heheheh 😀 , fomos para Montana (http://en.wikipedia.org/wiki/Montana_Wines), a segunda maior produtora de vinho do país, com vinhedos em diversas localidades.
Trabalhando na Nova Zelândia

Nesse novo emprego, fechamos por 0,55 cents por plantas, já com a prática apurada, ao final do dia podávamos em média 200 plantas, o que tornava bastante repetitivo o trabalho. Detalhe que só me dei conta no dia que “O Anão” vem me comentar que não conseguia fechar a mão. Pergunto “como assim??” Nisso vejo a sua mão direita completamente aberta e fixa, nessa hora os pensamentos são os piores, e o LER (Lesão por Esforço Repetitivo) vem a cabeça. Avisamos o supervisor e fomos ao hospital, lá nos deparamos com uma ótima realidade, como estávamos trabalhando de forma legal no país e pagávamos as taxas ao governo, a consulta era de graça assim como os exames necessários. Depois do susto, o resultado foi uma estafa física, por usar muito a mão durante muitas horas limpando os galhos.
Trabalhando na Nova Zelândia

Mesmo com esse susto, o trabalho nesse vinhedo foi muito bom, a equipe de supervisores e gerentes realmente amigos, acabei me sentindo em casa e ficando por lá o maior período de trabalho, por volta de 3 meses. Tempo esse que pude desfrutar de churrascos oferecidos para equipe, festa de final de blocos e até a despedida final, quando acabou a poda. Além de várias noites em finais de semanas pelos bares da cidades, sem contar lógico as longas discussões sobre rugby e os all blacks (seleção nacional).
Nova Zelândia - Trabalho

Chegou a hora de partir mais uma vez, afinal tínhamos toda a ilha norte a conhecer, churrascos de despedida e pé na estrada, agora a bordo do thunder-carro 🙂
Nova Zelândia - Trabalho
Trabalhando na Nova Zelândia

Planejando sua viagem para a Espanha

Veja todos nossos posts da NOVA ZELÂNDIA, clicando aqui.

Planejamento ViagemBusque e reserve seu HOTEL em: AUCKLANDCHRISTCHURCHWELLINGTONQUEENSTOWN | ROTORUA | TAUPO. Assim você conseguirá ótimos preços, poderá cancelar sem taxas sua reserva (excepto em alguns casos quando se tratam de promoções!) e ainda ajudará a manter atualizado este blog. Obrigada

Planejamento ViagemLembre que o seguro de viagem é obrigatório para entrar na maioria dos países europeus. Fora que, qualquer problema por lá pode te custar uma fortuna! A gente facilita as coisas, nosso parceiro Real Seguros, orça teu pedido em diferentes seguradoras e encontra a melhor prá você, seja por critério preço ou cobertura, para acessar clique aqui.

Posts relacionados:
A Nova Zelândia do Daniel Portella
Queenstown para os fortes – vamos de bungy jump
Trabalhando na Nova Zelândia – Parte 1

texto e fotos: Daniel Portella

Postado por Patricia de Camargo | Marcadores:

17 Comentários

  1. Thiago Negão

    THUNDERCARRO HOOOOOOLLL! hahahaha.
    e a LER pegando na colheita então?!
    To curtindo muito ler tuas histórias aí brother.
    Assim que eu terminar meu tcc e meu semestre, eu topava o emprego desses pra dividir as minhas histórias sobre Porto também… seria muito legal!
    abraçoo

    responder
    • Daniel Portella

      Ainda bem que foi só 3 messes de poda, senão o LER iria pegar valendo…hehehehehehe
      Massa que tu ta gostando, segue acompanhando que o Thunder-carro tem mais muito mil km pela frente!!
      Valeu negão, abraço 😀

      responder
  2. virginia camargo

    Gostei demais da narrativa,foi uma bela aula de colheita …….Parabens

    responder
    • Daniel Portella

      Virginia, o tempo trabalhando com as uvas além de uma maravilhosa experiência, foi tempo suficiente para aprender como funciona o ciclo do vinhedo.
      Que bom que consegui passar bem a historia para vocês!!!
      Obrigado!!!

      responder
  3. Tiago Balota

    O meu carro nao era Thunder, mas era o Xexecão, apelido carinhoso!
    E a colheita era de kiwi.
    Se precisar de uma mão ae pra relatar a NZ autal só contar cmgo 😉
    Abraço

    responder
    • Daniel Portella

      Balota, como ta sendo a primeira semana no brasil ???? tem que vir a santa para tomarmos uma cerveja e ve se mudou muito nesse tempo a NZ !!!
      Opa, ajuda sempre é bem vinda, é a tua cara o nome do teu carro, de uma sensibilidade impar 😀
      Grande abraço

      responder
      • tiago balota

        Então Portella, quando cheguei no aeroporto em São Paulo tomei aquele susto e me bateu o desepero. No mais o fuso horário ta me pegando de jeito, não consigo ficar acordado mais que meia noite hehe. Então, semana que vem na quinta ou sexta to chegando em santa pra tomar uma gela, eai tu tira tuas próprias conclusões a meu respeito haha. Abraço

        responder
  4. Gumercindo

    Que barbada hein Dani, em 2009 eu levava no max 25 cents por plantinha prunada kkk

    responder
    • Daniel Portella

      Pode parar Gumex, tu sabe muito bem que o valor depende da idade da planta, sem falar na qualidade do trabalho….hehehehehehe
      Outra coisa nos conseguimos trabalhar direto pra fazendo, na tua epoca tu pegou os “contractor” que mordiam um pedaço né

      responder
  5. Maria Luiza Mezzomo

    Como te disse no fb, tu foi respondendo as minhas dúvidas durante o restante do post.. Tu é foda.. mas ainda não consegui encontrar uma fruta parecida com uva hahaha Estou adorando participar da tua viagem hehe Parabéns por tudo!
    Agora quero um post de mergulho hehehe 😛

    responder
    • Daniel Portella

      Marilúú, só tu mesmo…hehehehehehe, uva agora tu pode escolher qual tipo e cor tu vai querer 😀
      Que bom que o post tava legal, quando vai ir para lá ver como é ?????
      Post sobre mergulho ????? hahahahhaha
      Segue lendo o blog, que terá mais coluna da NZ, não tem mergulho mas o proximo é sobre sledging esporte radical na agua

      responder
  6. Krunx

    Baita post!! Até que enfim vi qual é que era do thundercar hahaah

    responder
    • Daniel Portella

      Massa que tu gostou, o thundercar virou uma lenda na NZ ….heeheheheheh
      Uma pena que não tenho video dele piscando os farois, mais uma peripécia dele!!!

      responder
  7. Maria Luiza Mezzomo

    Eu vou pra NZ só depois que nós formos pra Cartagena 😛
    e mergulho podemos fazer lá, foooooooooi???

    responder
    • Daniel

      Partiu, afinal mergulho em Cartagena dará muitos post….heheheheheheh 😀

      responder
  8. REGINALDO

    QUERO IR PRA NOVA ZELANDIA , HE FACIL?? TEM TRAMPO LA ?? RSS COMODEVO PROCEDER ?? ME ADD AI E ME AJUDA AI CORPOFELIZ@HOTMAIL.COM OBRIGADISSIMO

    responder
    • Patricia de Camargo

      Olá Reginaldo,
      não sabemos como andam as condições atuais, apenas relatamos experiências que possam auxiliar na sua tomada de decisão 🙂
      Um abraço

      responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • La Duquesita⁣
⁣
É uma das “docerias” mais antigas de Madri. Abriu suas portas em 1914 e ficou apenas 9 meses fechada. Quando todo mundo já dava por perdido esse emblemático lugar, veio Oriol Balaguer e reabriu suas portas.⁣
⁣
Oriol Balaguer é um dos mais famosos “chocolateiros” da Espanha, ou como se diz por aqui, “maestros chocolateros”.⁣
⁣
A loja é linda, mas não é só aparência. Os doces são gostosos e nem preciso falar dos bombons, tendo em vista quem é o dono do estabelecimento 😉⁣
⁣
Ele manteve o doce mais famoso da casa, como não, La Duquesita. Um doce de morango.⁣
⁣
Nessa época se passar pela loja, vale a pena comprar um dos panetones premiados do “chef”. Tem o tradicional, o de chocolate e o gianduia (pasta de chocolate com 30% de pasta de avelãs). E este ano também tem panettone de framboesa!⁣
⁣
#madrilovers #foodmadrid #oriolbalaguer #panettone #panettoneMadrid #doceemmadri #ondecomeremmadri

Fotos próprias e de divulgação.
  • Qual é seu drink favorito?⁣
⁣
Na foto estou com o “pear mule”, o novo drink do @200gramos. Leva vodka, pera, suco de limão e ginger beer.⁣
⁣
Beeeem gostoso!

#drinks🍹 #restaurantelaspalmas #laspalmasdegrancanaria🌴 #grancanaria
  • Paris sera Toujours Paris⁣
⁣
É um guia realmente diferente de Paris. Não vai te ajudar a pegar o metrô ou programar o dia a dia da sua viagem. E mesmo assim é incrível para quem busca compreender a cidade.⁣
⁣
Màxim Huerta nos mostra Paris através de seus personagens como Colette ou Joséphine Baker; de seus ofícios, um exemplo? Os “bouquinistes”, os vendedores de livros das “caixas verdes” das margens do Sena.⁣
⁣
Também fala do croissant, da Torre Eiffel, mas sempre trazendo um dado inusitado, contando uma história, porque afinal Màxim é um grande contador de histórias, já falei de outro livro dele no #turolivros⁣
⁣
O livro é lindo, graças as histórias e as ilustrações de Maria Herreros, que são pura arte.⁣
⁣
Dá para ler com um espanhol intermediário.⁣ Não tem edição em português.
⁣
#parislivro #parisbook #oqueler #bookaddict #turolivros #desafioumlivropormes #bookphotos
  • Bar-restaurante (Achado em Madri)⁣
Não estou exagerando, é realmente um achado em Malasaña. ⁣
⁣
Na verdade é um bar-restaurante com um armazém que vende frios, vermut e outras delícias.⁣
⁣
Típico lugar de bairro, frequentado pelos moradores e que oferece boa comida, excelentes vermuts e um atendimento amável.⁣
⁣
Levei meus pais e eles amaram. No final de semana tem que chegar cedo para sentar porque o local é pequeno. ⁣
⁣
Durante a semana, oferecem um prato do dia por 5,50€. Nós fomos de garbanzo con bacalao. Grão de bico com bacalhau. Na Espanha se prepara o grão de bico como a gente faz feijoada. ⁣
⁣
Se quiser acrescentar ao prato do dia, bebida e pão, o valor sobe a 8€. O pão é mara e o vermut muuuito bom, por isso vale a pena acrescentá-los.⁣
⁣
Para ir com amigos e petiscar, há tábuas de frios, colmadas (sanduíches) e conservas. ⁣
⁣
Veja o cardápio inteiro com preços no site oficial: http://lacolmada.com ⁣
⁣
Destaque: atendimento 5 estrelas.⁣
⁣
#madri #madridlovers #madridfood #restaurantesmadri #restaurantesmadrid #foodphoto #foodporn #foodpic @lacolmada
  • Hotel maravilhoso em Madri⁣ 🔝
Gente do céu, apaixonei por um dos hotéis que testei nessa última viagem para Madri. ⁣
⁣
Na verdade, também gostei de outro, que vou postar mais para frente. ⁣
⁣
Mas voltando a esse 4 estrelas incrível que me hospedei em 2 noites diferentes, uma com minha sogra e outra com meus pais.⁣
⁣
Ocupa um edifício histórico que foi o maior arranha-céu da Espanha na década de 1950. Foi remodelado totalmente pela rede RIU e reabriu nesse último verão.⁣
⁣
Mas o que quero destacar é o atendimento prestado por todo o staff, desde a recepção ao senhor que abre a porta. Passando pela senhora que retira os pratos da mesa no café-da-manhã. De tirar o chapéu!⁣
⁣
Os dois quartos que me hospedei tinham uma vista incrível de Madri, com Palácio Real incluído.⁣
⁣
Os hóspedes tem livre acesso a um dos melhores mirantes da cidade. E ainda conta com um piscina (bem pequena), academia, café da manhã com show cook e uma localização fantástica!⁣
⁣
Para ver preços e outras opiniões, clique no link da bio. Por que estou fazendo dessa forma? Se alguém resolver reservar, recebo uma comissão que não onera para nada meu seguidor, mas que é importantíssima para manter o Turomaquia e o Arte 365 navegando! ⁣
⁣
Desenvolver conteúdo de qualidade é caro e demanda muito tempo. Por isso, pequenos gestos como esse, permitem que os criadores mantenham seu trabalho. Não permita que apenas os conteúdos lixo sobrevivam nessa selva digital! É uma compromisso de todos nós!⁣ Vou mostrar o quarto nos Stories!
⁣
#hotelmadri #ondedormiremmadri #hotelmadricentro #hoteldesign #madrilovers #madrid #mirante
  • ⁣
Palmeritas Original, novidade em Madri.⁣
⁣
O dono de uma das melhores confeitarias de Madri e do melhor croissant de framboesa abriu essa “porta” no coração da Gran Via, praticamente na frente da Primark. ⁣
⁣
O responsável? Alejandro Montes e sua casa insígnia? Mama Framboise. ⁣
⁣
Eu escrevi porta porque está pensado para atender o pessoal na rua. Mas também dá para entrar no hotel Hyatt e saboreá-las desde dentro com um cafezinho quente!⁣
⁣
Loja de um único produto, a palmerita, conhecida no Brasil como palmier ou ainda como orelhas de elefante 😋⁣
⁣
Um doce de massa folhada que Alejandro deu um giro de 180 graus criando 12 sabores diferentes, uma mais legal que o outro. Eu provei a “castiza”, ou seja, a palmerita com mais sabor a Madri que leva geléia de morango, chocolate de amoras e pétalas de violeta cristalizada. ⁣
⁣
Crocante, fresca e de sabores surpreendentes. Meus pais também adoraram. ⁣
⁣
💶 O preço? 1,70€⁣
⁣
⏰ Abre de segunda a quarta-feira das 8:30 às 22:00 horas. Quinta e sexta-feira das 8:30 à meia-noite. No sábado das 9:30 à meia-noite e no domingo das 9:30 às 22:00 horas.⁣
⁣
📫 End.: Calle Gran Vía 31, 28013⁣
⁣
Fotos próprias e de divulgação

Follow Me!