Guias de Viagem e Arte

 
 
set 03 2018

Museu Nacional do Rio de Janeiro: a crônica da morte anunciada dos nossos museus

“Quando alguém morre, eu sou atingido, porque pertenço a humanidade.
Por isso não me pergunte por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti”.

Hemingway já proclamou nosso laço, independente do lugar de nascimento. Por muito que os nacionalistas, ignorantes da poesia, da prosa ou da história queiram repudiá-lo. Portanto, hoje não choram apenas os brasileiros pelas chamas que levaram partes de todos nós. O Museu Nacional do Rio de Janeiro pertencia a humanidade.

Mas deveríamos usar nossa raiva, nossa indignação, para atuar. Lágrimas já se mostraram pouco eficientes em outros tempos, de igual ou maiores desgraças humanas. Há que entoar o “mea culpa”. Porque o descaso com os museus também emana dos cidadãos. Não é só coisa de político que fomenta uma ignorância que lhe beneficia.

Quantos museus brasileiros você visita de média em 1 ano? A este número, reste aqueles que visitou por uma exposição de um artista ou evento de caráter internacional. Ou seja, por uma exposição temporária. Para a maioria o resultado será zero. Poucas pessoas visitam o acervo de seus museus locais, não existe o hábito. E se falamos de museus de outras disciplinas que não sejam a arte, a coisa vai de mal a pior. Porque (graças a Deus) os museus não são parques temáticos que apenas trabalham com o torpor de nossos sentidos, que é as vezes se faz necessário. Nos museus é necessário pensar, se questionar, e isso cansa!

Infelizmente, não consegui aceder aos dados de número de visitantes no Museu Nacional do Rio de Janeiro*. Mas uma reportagem da “Folha de São Paulo” de 2017, apontava que o museu mais visitado no território nacional em 2016 tinha sido o Museu do Amanhã com 1,4 milhões de entradas, num país com mais de 200 milhões de habitantes. Sem contar que estes números devem incluir os escolares.

O mais triste é que a mesma reportagem afirmava que esse museu tinha uma visitação maior do que a recebida por outros 3 grandes museus que somavam 977 mil entradas. Estes museus eram: MIS-SP, Museu de Arte do Rio de Janeiro e MASP.

 

O MASP tem um dos melhores acervos de arte da América Latina e em 2017 recebeu menos de 500.000 visitantes.

Não é questão de jogar a culpa novamente no cidadão, mas é preciso dar oxigênio aos museus. O que só é possível se eu e você passamos por suas portas e assim, permitimos que eles façam sentido. Museu sem gente é museu fadado a morrer.

Tampouco basta com entrar e sair, nós temos que dar vida e viver o museu. Temos que exigir, reclamar, recomendar, bem como elogiar o que se faça bem. Se você quer que aquele museu da sua cidade não vá a pique, desapareça pouco a pouco, uma boa ideia é se fazer “amigo do museu”. Muitas instituições criam uma fundação de amigos para pagar gastos importantes, mas que a autoridade municipal, estadual ou federal não paga, por diferentes circunstâncias.

Os museus também tem sua parcela de culpa. Quantos pararam no século 19 e esquecem que já não existem para justificar um estado nacional, mas para manter nossa identidade e memória cultural. São museus que sequer oferecem um bom guia didático, que os vigilantes parecem que vão te atacar a cada passo, em que nos sentimos intrusos, com medo, coagidos. Lugares que os funcionários parecem sempre ter acordado de mal com a vida, uma tristeza!

Todo mundo tem sua parcela de culpa, mas para que isso não volte a passar, o que você pretende fazer? Mostrar sua indignação nas redes sociais? Ok, isso está muito bem, mas você sabe que daqui 5 dias essa será uma notícia velha. No Instagram em 24 horas. Bramar não basta, é só o começo do processo. Todos temos problemas, faz parte do viver. Ao invés de grandes projetos tão difíceis de executar, porque não nos centramos em nosso dia a dia e incorporamos uma visita a algum museu a cada 2 meses, isso já seriam 6 museus por ano. Algo simples, indolor.

Alguém ressabiado, já deve estar falando que esqueci da educação. Não esqueci, mas já está devidamente comprovado cientificamente que uma criança que foi ao museu só com a escola não incorpora o hábito de visitar museus quando for adulto. Se a criança não experimenta o museu em seu tempo de ócio, para ela nunca será entretenimento.

Tanta gente faz das tripas coração para levar seus filhos ao Beto Carrero, a Disney. Um grande esforço econômico. Nos grupos que pipocam no FB, nos blogs especializados, os pais se preparam à exaustão maquinando as melhores estratégias para visitar os parques. Parecem estratégias de guerra, devemos chegar antes das 8:00, para estar no brinquedo X tal hora e fazer o parque no sentido anti-horário e por aí vai. Porque não se preparar, nem digo desta forma, mas com um pequeno interesse, para levar seu filho ao museu da esquina?

Não sou contra o parque temático, porque não quero ter a postura dos nacionalistas que se empenham em nos dividir em bandos, em decidir por uma coisa ou outra, quando podemos desfrutar de ambas.

Ah, todo mundo tem culpa, menos os políticos? Claro que não, mas desde que o mundo é mundo passa a mesma coisa, acho que já aprendemos há tempos que sentar, não faz a hora, não faz acontecer.

Há algumas semanas, o pessoal esbravejou pelo fechamento de várias revistas da Editora Abril, hoje é dia de chorar pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro. Mas chorar quando tudo já desmoronou é desperdiçar nossa força.

Temos que acabar de uma vez por todas com esta sensação absurda que a cultura é grátis. No último 18 de agosto, Richard Sennett afirmou para o jornal El País: “Lo gratuito conlleva siempre una forma de dominación”.

Quem paga para que um jornalista possa pesquisar, ir a fundo numa história? Quem paga para que um escritor tenha tempo suficiente para criar uma boa narrativa?

Desde que as revistas fecharam, quantos jornais você comprou? Quantos livros? Se ninguém comprar nada, esperando conteúdo de qualidade gratuito, mais editoras vão ter que fechar as portas, mais escritores terão que se dedicar a escrever o que demanda o mercado e não nossas mentes.

O mesmo acontecerá com os museus, apenas permaneceram aqueles de fácil assimilação, que entorpeçam mais nosso corpo e menos nossa alma.

Assumindo minha parcela de culpa, a partir de outubro me comprometo a começar uma série de arte brasileira no YouTube. E você, o que pode fazer para fortalecer nossa cultura? Virar as costas e chorar a próxima desgraça? Porque a única certeza é que se não fizermos nada, outra virá. Esta é uma crônica de uma morte anunciada. O que você vai fazer com esta informação, já é coisa sua!

* Encontrei uma reportagem que dá conta do número de visitantes em 2016: menos de 118.000 visitantes (Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/05/bicentenario-museu-nacional-o-mais-antigo-do-pais-tem-problemas-de-manutencao.shtml)

Imagem: https://www.viacomercial.com.br/tag/museu-nacional/

Postado por Patricia de Camargo | Marcadores:

7 Comentários

  1. Rafael Carvalho

    Lindo texto, li aqui com essa tristeza nos tomou hoje… e parabéns pela iniciativa admirável! Bjs, Rafa

    responder
    • Patricia de Camargo

      Brigaduuu Rafa, juntos podemos muito!
      Beijos

      responder
  2. ILMA MADUREIRA

    Bom dia. Fiquei bem “revoltada” por conta do descaso com a nossa cultura (mais uma) mas seu texto explica bem o por que? de tanto descuido.
    É isso mesmo. Sem tirar nem por.
    Abraços de viajante (e visitante de museus, graças aos Deuses)

    responder
  3. Alexandra Aranovich

    Adorei o texto! Sugiro uma futura ação em massa de blogagem coletiva sobre os museus brasileiros.
    Beijos
    Alexandra

    responder
  4. Cintia Grininger

    Concordo com vc, eu mesma só aprendi a gostar de frequentar museus depois de adulta, somente depois de ter visitados museus no exterior e percebido o quanto são valorizados. É um trabalho de formiguinha mesmo, que dissemino na minha casa – marido e filhos – e divulgando no meu blog. Fiquei arrasada com o incêndio no Museu Nacional, por não tê-lo visitado e, mais triste ainda, nem saber da existência dele antes disso!

    responder
  5. Eliane

    Super concordo. E uma das coisas que tento fazer no blog, que tem como público as crianças, é divulgar as atividades para as famílias e incentivar a visita aos museus. Espero que um dia o brasileiro valorize nosso patrimônio assim como valoriza o de outros países quando viaja para o exterior.

    Grande beijo,
    Eliane

    responder
  6. Carmen

    Lo siento mucho. Es muy triste, porque la cultura y los museos nos alimentan el alma. Son patrimonio de la Humanidad. Nos emocionan y nos ayudan a entender a los otros. No importa dónde estén o qué tesoros guarden. Pertenecen a la colectividad, al ser humano a todos.

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • La Duquesita⁣
⁣
É uma das “docerias” mais antigas de Madri. Abriu suas portas em 1914 e ficou apenas 9 meses fechada. Quando todo mundo já dava por perdido esse emblemático lugar, veio Oriol Balaguer e reabriu suas portas.⁣
⁣
Oriol Balaguer é um dos mais famosos “chocolateiros” da Espanha, ou como se diz por aqui, “maestros chocolateros”.⁣
⁣
A loja é linda, mas não é só aparência. Os doces são gostosos e nem preciso falar dos bombons, tendo em vista quem é o dono do estabelecimento 😉⁣
⁣
Ele manteve o doce mais famoso da casa, como não, La Duquesita. Um doce de morango.⁣
⁣
Nessa época se passar pela loja, vale a pena comprar um dos panetones premiados do “chef”. Tem o tradicional, o de chocolate e o gianduia (pasta de chocolate com 30% de pasta de avelãs). E este ano também tem panettone de framboesa!⁣
⁣
#madrilovers #foodmadrid #oriolbalaguer #panettone #panettoneMadrid #doceemmadri #ondecomeremmadri

Fotos próprias e de divulgação.
  • Qual é seu drink favorito?⁣
⁣
Na foto estou com o “pear mule”, o novo drink do @200gramos. Leva vodka, pera, suco de limão e ginger beer.⁣
⁣
Beeeem gostoso!

#drinks🍹 #restaurantelaspalmas #laspalmasdegrancanaria🌴 #grancanaria
  • Paris sera Toujours Paris⁣
⁣
É um guia realmente diferente de Paris. Não vai te ajudar a pegar o metrô ou programar o dia a dia da sua viagem. E mesmo assim é incrível para quem busca compreender a cidade.⁣
⁣
Màxim Huerta nos mostra Paris através de seus personagens como Colette ou Joséphine Baker; de seus ofícios, um exemplo? Os “bouquinistes”, os vendedores de livros das “caixas verdes” das margens do Sena.⁣
⁣
Também fala do croissant, da Torre Eiffel, mas sempre trazendo um dado inusitado, contando uma história, porque afinal Màxim é um grande contador de histórias, já falei de outro livro dele no #turolivros⁣
⁣
O livro é lindo, graças as histórias e as ilustrações de Maria Herreros, que são pura arte.⁣
⁣
Dá para ler com um espanhol intermediário.⁣ Não tem edição em português.
⁣
#parislivro #parisbook #oqueler #bookaddict #turolivros #desafioumlivropormes #bookphotos
  • Bar-restaurante (Achado em Madri)⁣
Não estou exagerando, é realmente um achado em Malasaña. ⁣
⁣
Na verdade é um bar-restaurante com um armazém que vende frios, vermut e outras delícias.⁣
⁣
Típico lugar de bairro, frequentado pelos moradores e que oferece boa comida, excelentes vermuts e um atendimento amável.⁣
⁣
Levei meus pais e eles amaram. No final de semana tem que chegar cedo para sentar porque o local é pequeno. ⁣
⁣
Durante a semana, oferecem um prato do dia por 5,50€. Nós fomos de garbanzo con bacalao. Grão de bico com bacalhau. Na Espanha se prepara o grão de bico como a gente faz feijoada. ⁣
⁣
Se quiser acrescentar ao prato do dia, bebida e pão, o valor sobe a 8€. O pão é mara e o vermut muuuito bom, por isso vale a pena acrescentá-los.⁣
⁣
Para ir com amigos e petiscar, há tábuas de frios, colmadas (sanduíches) e conservas. ⁣
⁣
Veja o cardápio inteiro com preços no site oficial: http://lacolmada.com ⁣
⁣
Destaque: atendimento 5 estrelas.⁣
⁣
#madri #madridlovers #madridfood #restaurantesmadri #restaurantesmadrid #foodphoto #foodporn #foodpic @lacolmada
  • Hotel maravilhoso em Madri⁣ 🔝
Gente do céu, apaixonei por um dos hotéis que testei nessa última viagem para Madri. ⁣
⁣
Na verdade, também gostei de outro, que vou postar mais para frente. ⁣
⁣
Mas voltando a esse 4 estrelas incrível que me hospedei em 2 noites diferentes, uma com minha sogra e outra com meus pais.⁣
⁣
Ocupa um edifício histórico que foi o maior arranha-céu da Espanha na década de 1950. Foi remodelado totalmente pela rede RIU e reabriu nesse último verão.⁣
⁣
Mas o que quero destacar é o atendimento prestado por todo o staff, desde a recepção ao senhor que abre a porta. Passando pela senhora que retira os pratos da mesa no café-da-manhã. De tirar o chapéu!⁣
⁣
Os dois quartos que me hospedei tinham uma vista incrível de Madri, com Palácio Real incluído.⁣
⁣
Os hóspedes tem livre acesso a um dos melhores mirantes da cidade. E ainda conta com um piscina (bem pequena), academia, café da manhã com show cook e uma localização fantástica!⁣
⁣
Para ver preços e outras opiniões, clique no link da bio. Por que estou fazendo dessa forma? Se alguém resolver reservar, recebo uma comissão que não onera para nada meu seguidor, mas que é importantíssima para manter o Turomaquia e o Arte 365 navegando! ⁣
⁣
Desenvolver conteúdo de qualidade é caro e demanda muito tempo. Por isso, pequenos gestos como esse, permitem que os criadores mantenham seu trabalho. Não permita que apenas os conteúdos lixo sobrevivam nessa selva digital! É uma compromisso de todos nós!⁣ Vou mostrar o quarto nos Stories!
⁣
#hotelmadri #ondedormiremmadri #hotelmadricentro #hoteldesign #madrilovers #madrid #mirante
  • ⁣
Palmeritas Original, novidade em Madri.⁣
⁣
O dono de uma das melhores confeitarias de Madri e do melhor croissant de framboesa abriu essa “porta” no coração da Gran Via, praticamente na frente da Primark. ⁣
⁣
O responsável? Alejandro Montes e sua casa insígnia? Mama Framboise. ⁣
⁣
Eu escrevi porta porque está pensado para atender o pessoal na rua. Mas também dá para entrar no hotel Hyatt e saboreá-las desde dentro com um cafezinho quente!⁣
⁣
Loja de um único produto, a palmerita, conhecida no Brasil como palmier ou ainda como orelhas de elefante 😋⁣
⁣
Um doce de massa folhada que Alejandro deu um giro de 180 graus criando 12 sabores diferentes, uma mais legal que o outro. Eu provei a “castiza”, ou seja, a palmerita com mais sabor a Madri que leva geléia de morango, chocolate de amoras e pétalas de violeta cristalizada. ⁣
⁣
Crocante, fresca e de sabores surpreendentes. Meus pais também adoraram. ⁣
⁣
💶 O preço? 1,70€⁣
⁣
⏰ Abre de segunda a quarta-feira das 8:30 às 22:00 horas. Quinta e sexta-feira das 8:30 à meia-noite. No sábado das 9:30 à meia-noite e no domingo das 9:30 às 22:00 horas.⁣
⁣
📫 End.: Calle Gran Vía 31, 28013⁣
⁣
Fotos próprias e de divulgação

Follow Me!